top of page
  • Carolina Fernandes

Como fazer dar certo a "Semana de 4 dias" (4-day week).



Nas últimas semanas fui bastante impactada por artigos do mundo inteiro sobre a "Semana de 4 dias" (4-day week).

Para quem ainda não entendeu do que se trata, a hipótese é que a mesma quantidade de trabalho pode ser concluída em um período mais curto e focado — com a vantagem de que os colaboradores se sentem mais revigorados para a próxima semana. Essa hipótese foi baseada em muitas pesquisas feitas sobre saúde e bem-estar nos últimos anos. Ah! Isso tudo sem reduzir os salários, claro.

Muitas empresas que entraram no projeto inglês “The 4-Day Week Global” e outras nos EUA, Nova Zelândia e até no Japão estão contando como andam suas performances até aqui. Alerta de spoiler: elas estão tendo bons resultados, apesar de muitos trade-offs.

No Brasil, foram poucas as empresas que se jogaram na tentativa de trazer mais bem-estar para seus funcionários sem perder a produtividade, por medo ou por falta de conhecimento. Para tentar diminuir essa resistência, resolvi compartilhar o que tenho lido ultimamente.
Aprendizados do modelo de trabalho de 4 dias

1. Há diferentes formatos


Parte das empresas trabalha com a jornada de 8 horas durante 4 dias. Outras experimentam 5 dias com jornada reduzida. Algumas organizações experimentaram dar folga às sextas-feiras. Outras dão aos funcionários a opção de escolher o dia de folga. A variação acontece de acordo com o negócio e a cultura da empresa.

2. Os funcionários experimentaram menos estresse e mais satisfação no trabalho, além de mais igualdade


Entre 60 e 90% das pessoas disseram que seus funcionários ficam doentes com menos frequência, que eles estão menos estressados e mais felizes. Além da oportunidade de passarem mais tempo com a família e dedicar-se a hobbies, muitas mulheres não têm com quem deixar os filhos, logo, o movimento promove um local de trabalho mais igualitário. A experiência vem sendo tão gratificante, que há relatos de pessoas de que só voltariam à trabalhar com a carga horária anterior mediante um aumento de salário.

3. As empresas não tiveram queda na produtividade total — mas não foi fácil


Na verdade foi sentido até um aumento na produtividade. De acordo com a Lei de Parkinson, o trabalho se expande para preencher o tempo disponível. O que ficou claro a partir dos depoimentos das empresas entrevistadas, foi que produzir a mesma quantidade em um período menor exigia foco e algum grau de crueldade. Isso quer dizer que reduzir drasticamente o número de reuniões foi o ponto mais fundamental de todos. Junto a isso, as pessoas tiveram que cortar colegas das reuniões, logo, alguns colaboradores sentiram seu status prejudicado.

4. Desafios do modelo


Um dos desafios de uma semana comprimida foi entregar resultados para o negócio. A queda no atendimento foi um ponto observado em algumas empresas. Clientes reclamaram que não conseguiram acessar os serviços com os escritórios fechados. Tentar uma semana de trabalho de quatro dias talvez exija uma maior equipe, o que pode estar fora do orçamento. Outro ponto identificado foi menos tempo para conversas informais e para construir relacionamento nos times, que pode afetar o prazer e o sentido das pessoas no trabalho.

5. Mudanças na intenção pode ser um tiro no pé


A abordagem adotada por uma das empresas para evitar uma queda drástica dos resultados, foi mudar a linguagem de "dia de folga" para "dia do presente", condicionando-o à produtividade individual. Esse movimento pode quebrar a relação de confiança com os colaboradores, afinal, a intenção do modelo era respeitar o seu direito ao descanso.

6. O modelo exige mudança de mentalidade


Sociedades capitalistas são pautadas na produtividade. Por causa disso, nossa relação com o trabalho é bastante tóxica: acreditamos que precisamos trabalhar muito para sermos bem sucedidos e reconhecidos. Mas este é um pensamento da era industrial. O que importa é a contribuição e os resultados entregues pelos colaboradores, não COMO eles estão trabalhando. É papel da liderança sustentar a crença de que o valor das pessoas não está em quanto elas trabalham.

Como implementar na sua empresa


Como qualquer outro movimento, não existe um formato ideal a ser implementado. Cada organização possui suas características próprias e contextos, então é fundamental customizar o que for melhor para o seu negócio e cultura. Dá mais trabalho, mas é a única chance de dar certo. Ainda assim, seguem algumas dicas:

-Prepare as pessoas para iniciar a nova jornada através de Workshops sobre assuntos relacionados à priorização, produtividade e aos novos acordos.
-Reduza o número de reuniões. “Isso poderia ter sido um e-mail?” tornou-se uma realidade. Tente fazer as reuniões em 30 min. O número de pessoas nas reuniões também deve ser reduzido. Se duas pizzas não forem suficientes para alimentar os participantes, tem gente demais. Saia de uma reunião quando sua parte estiver concluída.
-Não abra mão de um espaço de conexão da sua equipe, nem que seja uma vez por mês, durante 1 hora.
-Nas áreas de atendimento ao cliente, divida a equipe em dias de folga diferentes, para que sempre tenha gente de plantão.
-Crie limites claros em relação aos clientes. As novas regras precisam ser formalizadas e cumpridas, de ambos os lados.
-Várias organizações fazem este movimento durante o verão. Quando os clientes estão de férias é mais fácil viabilizar.
-Experimente o modelo antes de implementar na empresa inteira. Você pode tentar uma semana em que uma área tenha um dia de folga e outra diferente na semana seguinte, e assim por diante. Ou começar com meio dia de folga na sexta, e depois aumentar para dia o inteiro.
-Antes de começar, pesquise sobre a legislação trabalhista.

Por último, vale ressaltar: muitas organizações tiveram sucesso com o modelo, com algumas ressalvas. Para outras, simplesmente não funcionará.

fontes:
The Pros & Cons of The Four-Day Workweek www.playficient.com
5 Things We Learned from the 4-Day Week Trials makeworkbetter.substack.com
How the 4-Day Work Week Helps Us Redefine Our Worth as Employees www.aug.co

https://www.bloomberg.com/news/articles/2022-11-30/want-a-four-day-work-week-show-this-research-to-your-boss?srnd=work-shift&utm_content=article-9384&utm_source=sg&utm_medium=email&utm_campaign=article_email&leadSource=uverify%20wall

https://play.acast.com/s/eatsleepworkrepeat/renegotiating-the-rules-of-work-two-experiments-in-action
bottom of page